segunda-feira, 6 de julho de 2015

Malu



Vestido azul,
sandália de dedo
e laço de fita no cabelo.

Sua trança balança
quando ela corre,
e, ela sempre corre.

Olhos curiosos
sorriso travesso
covinha na bochecha

A boca sem um dente
faz perguntas que te viram do avesso
e, ela sempre faz muitas perguntas.

Pequena arteira,
menina espoleta.
Pula, corre, dá cambalhota, faz pirueta.
Abraça, grita, pergunta, aponta, sorri
e em mim, vive aqui ♥

(Luíza Gallagher)

sexta-feira, 3 de julho de 2015

Nós Cegos



O enlace emaranhou-se.
Tem você em mim,
Tem eu em você.
Somos linha
num carretel.
Somos amantes 
num quarto de motel.
Tão misturados
tão embolados.

Não separa,
Não ata,
Não desata,
Não prende nem solta,
Não segura e nem afrouxa,
Não somos laços, 
somos apenas embaraços.
Somos nós,
Nós cegos.

(Luíza Gallagher)

Depois



Depois de tudo, 
depois de nada,
depois...
bem depois...
O que eu esperava?
O que eu procurava?

Acho que buscava um pouco de mim
onde eu já não estou,
onde nunca estive de fato.

Buscava lembranças 
que já esqueci, 
que quis esquecer.

Na verdade,
acho que buscava 
apenas reciprocidade
no escrever, no sentir, no partir.

Uma resposta às perguntas nunca feitas,
um acalento para corpos duros e frios,
algo sobre mim,
algo sobre você,
algo sobre o nós que nunca fomos.

Eu esperava 
que o meu nome fosse sorteado
em um concurso que nunca participei.

Eu esperava ler as manchetes
de uma notícia que nunca aconteceu.
Eu esperava reencontrar
quem nunca conheci.

Depois...
bem depois...
Aqui estou eu,
mais uma vez acordando de um sonho
sem sequer ter adormecido.

(Luíza Gallagher)