quinta-feira, 28 de março de 2013

Foi você



Quando o olho brilhou foi você, e também quando o coração acelerou, quando te vi ali na minha frente e quando passei parte da noite a te ver dormir, e todo o tempo em que fico sonhando acordada contigo… Foi você quando sorri sem motivo, quando escrevi textos e textos sobre o mesmo assunto, quando acordei após um pesadelo horrível no qual você me deixava. É você a cada dia que acordo com sua imagem na minha mente, a cada noite que fecho os olhos e peço pro meu anjo da guarda te proteger. É você quando fico boba e quando fico louca. É você a cada sorriso e a cada olhar, a cada pensamento, a cada desejo, a cada sonho. É você a cada momento, em cada célula minha. Foi você, é você, talvez sempre seja você.
(Luíza Gallagher) 

Como driblar as tentações da Semana Santa


A Semana Santa chegou e com ela seus tradicionais pratos. Como resistir aos peixes, vinhos e chocolates? E o mais importante, como aproveitar essas delícias sem prejudicar a saúde?

Apesar das tentações é possível manter a forma e a boa saúde sem abrir mão dessas delícias. O segredo é a moderação e a escolha correta dos alimentos e do modo de preparo.

O peixe é um dos principais pratos dessa época do ano, porém os cuidados começam na hora da compra. Deve-se verificar sempre se está fresco observando a cor, por exemplo, evite peixes com manchas escuras ou esverdeadas. Se o alimento estiver com um odor estranho e desagradável tenha cuidado, pode significar que está impróprio para o consumo. É importante verificar também se as guelras estão avermelhadas, o que é um sinal de que ele está fresco. Observe se o peixe está bem armazenado no local, a textura da carne que deve ser firme e os olhos que devem estar brilhantes.

Apesar de o peixe ser uma grande fonte de proteínas, deve-se evitar fritá-lo, a melhor opção é fazê-lo assado, cozido ou grelhado para evitar o excesso de calorias em seu prato. Outra dica é escolher os filés do tamanho de uma mão em média, eles são menos gordurosos. Tenha cuidado também com o uso de farinhas, ovos e óleo na hora do preparo. O bacalhau é o peixe mais consumido na Semana Santa, ele possui baixas taxas de gorduras e calorias, porém deve ser evitado por pessoas com problemas de pressão alta por ser um alimento muito salgado, em alguns casos é recomendado que o substitua por peixes com menos sal. Lembre-se que as "gorduras do bem" também engordam. Por isso, não exagere.

O principal símbolo da páscoa são os ovos de chocolate e o mercado possui uma enorme variedade de tipos. Para quem não quer sair da dieta há as opções menos calóricas feitas com chocolate amargo ou meio amargo, que são os tipos mais saudáveis. Há também as opções de ovos diet/light, sem lactose, sem glúten e até mesmo feito com soja que são recomendados para casos de dietas especiais como cardíacos, alérgicos, diabéticos ou pessoas com intolerância a lactose.

Uma importante dica é sempre observar as informações nutricionais na embalagem do chocolate, ou de qualquer outro produto, antes de comprá-lo para assim poder ter maior controle das calorias ingeridas. Com bom senso, alguns cuidados e sem excesso é possível aproveitar dos prazeres da Santa Ceia sem ter que sofrer para perder os quilinhos depois. Na dose certa o chocolate e o peixe são ótimas fontes de nutrientes e só terão benefício a trazer. 

(Luíza Gallagher)

terça-feira, 26 de março de 2013

Casebre


Não passava de um casebre próximo a uma estrada movimentada, sem muitos cômodos e desprovido da beleza convencional das grandes construções. Feito de madeira e sem muitos retoques, porém com afeto e esperança foi construído. Lá vivia um feliz casal com seus filhos, a simplicidade e a imagem bucólica do lugar atraiam o olhar de quem passava. Um belo dia um candidato a político que seguia por ali, acabou por finalmente olhar por àquela família e disse se apiedar, uma bela casa ele ofereceu, com varanda e até um belo jardim. Mas o homem de aparência simplória que vivia no casebre, com um gentil sorriso agradeceu, mas recusou. “Olha aqui dotô, trabalho pra comida prus meus fio e esse casebre nada é pro sinhô, mas foi aqui que me criei, aqui que meu pai me ensinô as dores e as glórias dessa vida, aqui quero ensinar o mesmo prus meus fio, agradeço sua oferta, mas carece não, não perderei minha dignidade e liberdade por uma casa grande onde mal verei as criança, aqui, juntinho nesse pequeno espaço a gente é unido, ouço cada riso e cada lágrima deles e a noite é só abrir os óio que os vejo sonhando com um futuro bão, se eu aceitá a sua proposta, matarei as esperanças de um dia o mundo melhorá, comprá voto não é o que chamo de mostrá preocupação com as pessoa dotô. Agora vai-se embora que as criança tão chegando, hoje vamos passear e até mesmo pescá ali no córrego, não quero que elas aprendam que na política vale prometer uma vida boa que no fundo não passa de uma forma pra desgraçá tudo. Não tenho formação, nem estudo nenhum, mas prus meus fio dou o melhor que posso e se a educação não for boa da escola, pelo menos honra e dignidade eles terão aprendido de mim.” O candidato então seguiu viagem pensando naquela gente, se isso lhe serviu de lição é difícil dizer, mas naquele ano após vencer a eleição nas palavras do pobre senhor ele pensou.
(Luíza Gallagher)

segunda-feira, 25 de março de 2013

Estranha no Ninho




Sensação estranha essa de estar de volta em casa e ao mesmo tempo tão distante. O tempo passa e ele de alguma forma nos muda. Aqui, hoje, na minha cidade, no meu berço eu me sinto por vezes deslocada. Aqui é o meu lar, mas depois de tanto tempo algo falta. Talvez contra toda a minha resistência de alguma forma adquiri raízes também em outro lugar. Agora tanto aqui quanto lá me sinto por vezes uma estranha no ninho. Uma eterna turista que não sabe mais a qual chão pertence. O barro vermelho carregado nas melhores memórias e a areia molhada compondo aos poucos a minha história. Como diz a música: “Surfista do planalto central” será?
(Luíza Gallagher)

domingo, 24 de março de 2013

Voz Interior


E por mais que se tente disfarçar a voz que grita dentro de ti será sempre mais alta do que a sua. 
(Luíza Gallagher)

Misturados



Eu me dou a você e tomo você para mim. Nos misturamos um no outro até não mais ser possível separar as partes. Somos nossos, homogêneos, os mesmos corpos, o mesmo desejo, o mesmo sentimento.
(Luíza Gallagher)

sábado, 23 de março de 2013

Felicidade




Há tanto para dizer, faltam palavras, falta coragem. Há tanta alegria em mim que me espalho em sorrisos sem sentido, os olhos brilham sem contexto e se me dizem que estou diferente sei que é por sua causa. Há uma saudade constante de você, há uma necessidade gigante do seu sorriso. Suas palavras, seus olhares, partes suas que me perseguem até mesmo nos sonhos. E no meio dessa ânsia de te ver me encontro em seus braços, encontro a mim mesma por um breve segundo num relance fugaz do teu olhar, sei que contigo estarei bem. Talvez o meu lugar seja mesmo ao teu lado. Me sinto entorpecida com seus beijos, me sinto cada vez mais distante e próxima, é estranho como um sonho, mas é real. Não há expectativas e nem cobranças, não há urgência, não há o resto do mundo. Só existe eu, você, nós dois, a calmaria, o calento, o sentimento. Tudo pára, a música fica lenta, o toque suave, sussurro ao pé do ouvido. É tranquilo, é leve, é bonito, é perfeito, é você. Um dia talvez o mundo volte a andar, a música pare e seus braços quem sabe eu não mais encontre. Mas não há de ter o desespero da perda, afinal será como o despertar de um sonho, um sonho que nunca há de ser esquecido. Enquanto isso me abrace, sussurre e em câmera lenta vamos continuar sendo feliz.
(Luíza Gallagher)

quinta-feira, 21 de março de 2013

Entre

Entre matar ou morrer escolhi fugir,
Não sou tão mau para matar
Não sou tão bom para morrer.
Entre o inferno e o paraíso escolhi o purgatório,
Não sou tão cruel para sujar de sangue minhas mãos
Não sou tão santo para em sacrifício abdicar minha vida.
Entre ela e você escolhi a solidão,
Não sei decidir, nunca soube
Não sei como ficar, muito menos como ir
Entre o herói e o vilão,
Me fiz o covarde.

(Luíza Gallagher)

terça-feira, 19 de março de 2013

Intuição ou Desejo?



E quando você me chamou um sentimento estranho se apoderou de mim, como se algo de bom estivesse para acontecer. Será a minha intuição me avisando sobre algo ou só o meu desejo por você? Minha intuição já provou que dela nunca posso duvidar, mas se for só o desejo de te ter não é nada demais, afinal pode nada acontecer.
(Luíza Gallagher)

Disfarces




Às vezes escondemos nossas tristezas em pequenas alegrias e disfarçamos nossas lágrimas em singelos sorrisos. Ao nos verem rir as pessoas erroneamente nos julgam por felizes, mal sabem elas…
(Luíza Gallagher)

Quando você for




-E quando você for e a saudade aparecer? Como fazer para ter você ao meu lado?
-Feche os olhos. Sempre estarei dentro de ti, é só me procurar.
(Luíza Gallagher)

domingo, 17 de março de 2013

Queda



Não há mais volta. O salto deve ser feito. Suave, rápido, sem medo. Aos poucos sinto o chão desaparecer, o corpo a flutuar. O abismo me espera ali embaixo. Em um impulso alço voo por alguns segundos. O tempo acompanha o movimento que parece durar uma eternidade. Enfim o corpo alcança o chão. Acordo assustada, bem-vinda à realidade.
(Luíza Gallagher)


Lado Divertido



Se a vida lhe parecer sem graça reinvente-a, se o azul do céu sumir pinte-o e se o sorriso lhe faltar atente para a simplicidade, talvez um ombro amigo ou apenas use a criatividade para suportar o cotidiano com mais emoção. A vida sempre tem um lado divertido a questão estar atento e pronto para ouvir a voz do coração.
(Luíza Gallagher)

quinta-feira, 14 de março de 2013

"Habemus Papam!"

Papa Francisco saudando os fiéis que lotavam a Praça de São Pedro


Nesta última quarta-feira (13/03) a fumaça branca e o bater dos sinos indicaram o fim do conclave. Cerca de uma hora depois foi revelado ao mundo o escolhido para liderar a Igreja Católica Apostólica Romana pelos próximos anos. Jorge Mario Bergoglio surgiu na sacada saudando o povo que lotava a Praça de São Pedro, no Vaticano. Jorge Mario Bergoglio agora é Francisco (nome que adotou ao assumir o papado).
O primeiro Papa a escolher o nome Francisco, o primeiro Papa jesuíta, o primeiro Papa sul-americano. Sim, ele é argentino. Veja só, um Hermano!
Nas redes sociais muitas brincadeiras surgiram envolvendo a nacionalidade de Bergoglio, principalmente ressaltando a rivalidade entre Brasil e Argentina no futebol. Não sei quem ganhará a Copa, mas na “competição” religiosa nossos vizinhos saíram na frente.
Rivalidades a parte, o Papa foi eleito e o Papa é Pop! Com um estilo de vida simples, é um apreciador de arte e é admirado por sua intelectualidade. Já foi professor de literatura e psicologia. Anos depois passou a ser o reitor da Faculdade de Filosofia e Teologia de San Miguel.
Nascido em 17 de dezembro de 1936 em Buenos Aires, Bergoglio possui um grande prestígio entre seus seguidores e é bastante influente. Agora, como Francisco, terá como principal desafio trazer vigor e união à Igreja Católica.

(Luíza Gallagher)

quarta-feira, 13 de março de 2013

Mudança


“E as vezes tudo muda… E as vezes nada muda…”
(Luíza Gallagher)

Cabeça Cheia


E quando a cabeça está muito cheia, qualquer válvula de escape é bem aceita: caderno, parede, papel de pão, uma folha rasgada, um jornal ao lado ou a palma da mão.
As palavras ganham formas, as idéias antes turvas e confusas se transformam.
A tinta da caneta se esvai rapidamente, porém ao encher o papel com idéias, o escritor alivia um pouco a própria mente.
Os rabiscos feitos de forma frenética e desconexa, às vezes incompreensíveis, ilustram a confusão e a dor de quem escreve. Sensíveis aos amores e desamores, a guerra e a paz, assim fazem de uma tormenta de emoções um emaranhado de boas reflexões.
(Luíza Gallagher)


Ancorar x Zarpar



Qual é a hora de ancorar? Qual é a hora de zarpar? Qual é a hora de mudar? Qual a hora de continuar? Ficar parado? Seguir adiante? Dar mais um passo? Ou aproveitar o descanso? Se tudo tem um tempo, se tudo tem um momento, qual é a hora de fazer o que? O que define quando? O que define agora? Quem define? 

Enquanto decidimos, enquanto pensamos, o tempo se esvai como areia numa ampulheta, apenas escorre, não há como parar ou voltar atrás. O que fazer? Para onde seguir? Ou será melhor ficarmos? Parados, imóveis como estátuas ou correndo atrás de algo inalcançável feito um cão que tenta morder o próprio rabo? Decida. O tempo está se esgotando.

(Luíza Gallagher)

domingo, 10 de março de 2013

Duas perdas


Últimas homenagens à Hugo Chávez

Essa última semana foi marcada por perdas. De um lado uma nação chorava a morte de seu líder, do outro, fãs choravam a morte de seu ídolo. Hugo Chávez, um revolucionário, um ditador, um líder, um homem amado e odiado por muitos acabou perdendo a sua última batalha, faleceu decorrente a um câncer, o qual lutou durante tempos. Chávez morreu, porém a Venezuela não está desamparada o "Chavismo" parece permanecer. Um povo fiel aos ideais de seu comandante tomou as ruas para prestar as últimas homenagens. Muitas lágrimas e gritos saudosos. 
Enquanto isso no Brasil, Alexandre Magno Abrão, ou melhor, Chorão foi encontrado morto em seu apartamento pegando a todos os fãs de surpresa. Era ainda de madrugada quando a notícia se espalhou e rapidamente as redes sociais foram tomadas por manifestações de luto. Um ídolo, um Bad Boy, um louco, um gênio acabou por encontrar o seu Céu Azul. Nas ruas de Santos (SP) muitos se despediam do músico com palmas e trechos de suas letras sendo entoados. 
Duas grandes perdas seguidas na mesma semana. A Venezuela perde seu herói e o Brasil perde mais um dos seus poetas. Um homem chamado de tirano por seus oponentes e de líder por seu povo. Outro homem chamado de drogado pela crítica e de gênio por seus fãs. Dois homens amados, dois homens odiados. Cada um com sua importância, cada um com seus defeitos, cada um com suas qualidades. Dois homens que farão falta. O mundo está um pouco mais triste e vazio sem vocês. Chávez descanse em paz, seu povo não o esquecerá, suas batalhas serão eternizadas. Chorão realize o sonho de abraçar seu pai aí nesse outro mundo, seus fãs nunca te esquecerão, suas letras ainda hão de embalar muitos casais por aí. Dois errados que de algum modo deram certo. 
(Luíza Gallagher)

Homenagens dos fãs à Chorão


sexta-feira, 8 de março de 2013

Mulheres


O que elas querem? Eu o odeio! Ele é o amor da minha vida! Nossa, estou obesa! Tá me chamando de gorda? Eu sei o que to fazendo, não preciso de ajuda! Ajuda-me, o que eu faço? Mulheres… Complexas, loucas, engraçadas, sem sentido… Meio santas, meio loucas, talvez até um pouco bruxas… Mulheres! Um conselho aos homens: nunca tente nos entender. É perca de tempo. Se formos altas iremos querer ser baixas, se formos baixas iremos querer ser altas. Loira? Morena? Ruiva? Indecisão. Em frente ao espelho passam-se horas, parecem até dias, e nada de achar a roupa ideal, a maquiagem perfeita, fora o penteado apropriado. Pra que tanta demora? Perguntam-se os mais apressados. Oras… Mas que pergunta tola! Para nos sentirmos bem, para recebemos elogios. Pois bem, não tente julgar ou reclamar, sente-se, espere com calma e quando enfim a mulher aparecer pronta elogie-a, admire-a. faça valer o trabalho que ela teve. Se não fizer, garanto que outros homens o farão. E as brigas? A irritação? A culpa é sempre da TPM, é claro! Emocionais ou racionais as mulheres sempre sabem como confundir um homem. Não, não esperamos ser compreendidas, nem tente. Não fazemos o mínimo esforço para nos fazer entender, até porque nosso prazer está exatamente na confusão que provocamos em suas mentes. Nunca ache que toda mulher é igual, nunca tente compará-las e nem tente agir da mesma forma com todas. Apesar de todas termos as loucuras, as crises, o lado emocional e o racional pulsante, somos diferentes. Cada cabeça feminina é um mundo a parte. Não existem livros, manual e nem guia para ajudar o pobre explorador perdido. Mulher não foi feita para ser entendida e sim para ser amada, para ser temida e por que não até obedecida? Não pense que é o macho alfa e domina sua fêmea, afinal, no fundo as mulheres carregam os segredos do Universo, algumas nem se dão conta disso e vivem sem saber, outras sabem muito bem a arma que são e não poupam munição. Se praga de mãe pega? Não sei, mas só pelo fato dela ser mulher sugiro que tenha cuidado. Praga de mulher pega. E como pega. Criticamos umas as outras, fazemos birra, intriga… Mas faz parte da vida. Venenosas? Um pouquinho talvez, mas nada mortal. Algumas mulheres passam dos limites, essas são bem perigosas, mas as que mais se deve temer são as menos suspeitas. Sabe aquelas quietas, que observam, muito, pensam antes de falar e parecem tão doces? Pois é, essas são verdadeiramente perigosas. Só esperam o momento certo para o bote, e quase sempre é fatal. Não, não somos cobras… Damos botes, temos um pouco de veneno, mas não somos peçonhentas, eca! É mais gentil nos comparar a felinos, belos, perigosos e poderosos. Sim, somos grandes felinas nesse mundo animal que vivemos. As rainhas da selva! E os homens… Bom, os homens são os súditos que devem admirar, agradar e nunca tentar nos entender, afinal nossa mente é um labirinto que nem nós mesmos sabemos chegar ao fim. Mulheres… Confusas e queridas mulheres! Mas afinal, o que elas querem? Queremos coisas simples, apenas sermos amadas, respeitadas, termos nossas vontades satisfeitas, nos sentirmos desejadas, sermos reconhecidas, felicidade, festas, paz, atenção, carinho, termos dinheiro, afinal nossos gastos são altos… Queremos também sermos perfeitas, realizarmos os nossos sonhos e dominar o mundo é claro. Mulheres… O que seriam dos homens sem nós? O que seria do mundo sem nós?

 (Luíza Gallagher)

terça-feira, 5 de março de 2013

Não Esquecer




E o problema é não querer esquecer o que te faz mal. É essa teimosia quase doentia de insistir em guardar dentro de si o veneno da tua felicidade.
(Luíza Gallagher)

Simples Poesia




Se antes era a pena a romper de tinta o papel com a bela poesia, hoje é apenas uma caneta qualquer formando um texto simples e sem rima. O peta nobre d’outra hora não passa de um plebeu hoje em dia. Sem a métrica nem a pompa, munido apenas de sentimentos. Desarmado de belas palavras, utiliza-se apenas de suas dores e amores. Escreve seus tormentos e alegrias, expressam sem muito glamour a simples poesia.
(Luíza Gallagher)